Arquivamento do processo por quebra de decoro parlamentar deverá ser votado nas próximas semanas

0
131

A Câmara de Vereadores de Santo Ângelo poderá votar nas próximas sessões da Casa Legislativa o arquivamento do pedido de quebra de decoro parlamentar feito pelo vereador Pedro Waszkiewicz contra o colega, Gilberto Corazza. A comissão julgadora, formada pelos edis Arlindo Diel (presidente), Nader Hassan (relator) e Diomar Formenton (membro da comissão), deu parecer de forma unânime pelo arquivamento.

O presidente da Comissão, Arlindo Diel, conta que o grupo de trabalho, conforme o regimento interno do Legislativo teve cinco dias para encaminhar pedido de esclarecimento ao vereador Gilberto Corazza, que por sua vez, teve dez dias para formalizar sua defesa. “Após a defesa encaminhada tivemos cinco dias para decidir e o parecer de todos foi pelo arquivamento. A partir dessa definição o parecer vai para votação do Legislativo para ser acatado ou rejeitado. Em caso de rejeição, o processo continua, mas para isso acontecer deverá ter o voto de 2/3 da Câmara de Vereadores. Nesse caso será feita uma oitiva para ouvir testemunhas registradas no processo. O prazo legal para todos esses procedimento é de 90 dias”, explica.

Diel também observa que os pareceres podem serem aprovados a qualquer momento desde que entre na ordem do dia para a leitura.

PALAVRA DOS VEREADORES

O vereador Gilberto Corazza, acusado de quebra de decoro parlamentar, disse que está tranquilo tendo em vista os pareceres unânimes da comissão julgadora pelo arquivamento do processo. “Minha expectativa é positiva, pois não há efetivamente base legal que comprove uma quebra de decoro parlamentar”, destaca Corazza.

Já o vereador Pedro Waszkiewicz explica que o processo de arquivamento poderá ser votado até o dia 15 de outubro. A sua expectativa é que o vereador Corazza faça uma retratação pública na imprensa pelas palavras usadas contra ele em emissora de rádio e em rede social. O edil diz que não apenas ele, mas também os funcionários e todo o Parlamento tiverem suas imagens denegridas pelas expressões usadas por Gilberto Corazza.

ENTENDA O CASO

O pedido, aprovado para análise do Parlamento, por 11 votos, teve como elementos a gravação de entrevista de Corazza em emissora de rádio na qual ele afirma que haveria na Câmara de Vereadores uma “indústria de diárias” e uma postagem no Facebook em que o parlamentar combinava com um amigo a armação de estratégias para colocar o vereador Pedrão na defensiva em relação ao abuso de diária, usando o termo “roubo” do dinheiro público.

O vereador Pedro Pedro Waszkiewicz disse que se sentiu ofendido com as declarações pública do edil Gilberto Corazza.