Reportagem da RBS TV denuncia supostas irregularidades nas eleições municipais de Santo Ângelo

0
109

Tema foi motivo de debate e manifestações na sessão da Câmara de Vereadores nesta semana

Uma reportagem da RBS TV Santa Rosa, na terça-feira, levou a público informações sobre processos tramitando na Justiça Eleitoral envolvendo coligações que disputaram as eleições municipais de Santo Ângelo. A reportagem repercutiu manifestações na Câmara de Vereadores, durante a sessão ordinária de segunda-feira, dos vereadores Gilberto Corazza e Lenir Diel, sobre o tema.

Na ocasião, Gilberto Corazza pediu agilidade da Justiça Eleitoral no julgamento do processo 46560.2012.621.0045, que tramita no TRE-RS, movido pela coligação “A Mudança não pode parar! Avança Santo Ângelo” contra a coligação “Juntos por Santo Ângelo”, os então candidatos Luiz Valdir Andres e Nara Damião, Rádio Sepé Tiaraju, Radio Nova e Gráfica Santo Ângelo Ltda.

“Nossa iniciativa foi cumprir uma missão partidária, do conjunto dos partidos da coligação ‘A Mudança não pode parar’”, disse Corazza. Pouco antes do início da sessão, os dirigentes dos partidos integrantes da coligação protocolaram um documento junto à Mesa Diretora, onde solicitaram que a Câmara de Vereadores tomasse posicionamento sobre o processo.

“Essa ação traz um conjunto de fatos que são indícios claros de profundas irregularidades que afrontaram a lei eleitoral. O processo está tramitando, há uma expectativa enorme da comunidade”, acrescentou o vereador, para destacar que o processo eleitoral “não foi muito tranquilo como alguns dizem ser. Ainda há pendências”.

VENDA DE VOTOS

Conforme o vereador petista, a eleição municipal, “que deveria ser um processo democrático e transparente, de apresentação de ideias e projetos, na verdade tem se configurado de maneira muito grave em um processo profundo de mercantilização do voto. Se transforma em uma prática corriqueira o processo de venda do voto”, denunciou Corazza.

Vereador Gilberto Corazza denuncia abuso de poder econômico e utilização indevida de meios de comunicação por coligação

Em relação específica ao processo envolvendo a coligação “Juntos por Santo Ângelo”, vencedora da eleição municipal, o vereador Gilberto Corazza afirmou, no Pinga Fogo da sessão da Câmara, que as práticas ilegais “são utilização indevida dos veículos Rádio Sepé, Rádio Nova FM e Jornal A Tribuna como instrumento permanente de críticas, contra opositores políticos e contra qualquer pessoa cujos interesses são opostos à candidatura de Luiz Valdir Andres”.

“Esses veículos de comunicação têm cumprido um papel de manipulação, de parcialidade junto à nossa comunidade, de forma tendenciosa, e isso acaba influenciando a opinião pública”, complementou Corazza nesta quarta-feira (21), em entrevista à Rádio Santo Ângelo.

“O outro conjunto de denúncias é o que caracterizaria o abuso de poder econômico, com jantares, ‘churrascadas’, distribuição de vales-combustíveis, que teve até busca e apreensão da Polícia Federal. São fatos graves, e sabemos que a Justiça Eleitoral e as autoridades terão grandeza para julgar com justiça e com equilíbrio”, afirmou o vereador.

PROVAS

Segundo Gilberto Corazza, um vídeo enviado à Justiça Eleitoral mostra carros sendo adesivados com materiais de campanha da coligação “Juntos por Santo Ângelo”. “Tem uma cena em que é colocado dinheiro no bolso do motorista de um dos veículos. E uma questão que não aparece no vídeo é o pagamento de vales-combustíveis. É conhecido que havia um valor médio de R$ 50 em vale-combustível. A Justiça proíbe também a realização de jantares com a participação de candidatos”, disse Corazza, referindo-se a um dos vídeos enviados como prova, em que candidatos da coligação aparecem discursando em um jantar.

“As provas foram enviadas à Justiça Eleitoral. Esperamos um julgamento justo, equilibrado, que se façam as punições. O mínimo que se espera, pela gravidade dos fatos, é que haja punição”, complementa Corazza.

O presidente do PDT, Hélio Costa, à reportagem da RBS TV afirmou que “no nosso entendimento, isso interfere no processo de normalidade da eleição. Nós fizemos esse processo de investigação criminal/judicial/eleitoral no sentido de fazer com que a Justiça apure os fatos”.

Já o advogado da coligação “Juntos por Santo Ângelo”, Luis Clovis Machado da Rocha, por sua vez ressaltou que “eles filmaram, na verdade, o nosso trabalho. Naquela ocasião, estávamos colocando adesivos nos veículos de nossos colaboradores”.

A reportagem ainda cita que a coligação Juntos por Santo Ângelo possui duas ações contra a coligação “A Mudança não pode parar”, uma sobre o edital de inscrição e seleção de casas populares, que, segundo a denúncia, foi divulgado pouco menos de um mês antes da eleição. A outra ação é sobre o suposto abuso de poder político pelo então candidato Adolar Rodrigues Queiroz.