Morte de menino: vela pode ter causado o incêndio no Bairro Jari

0
107

Laudo da perícia vai apontar a causa. Delegada diz que residência estava sem luz

O incêndio que destruiu uma residência na madrugada de domingo (11) na Avenida Rio Grande do Sul, no Bairro Jari, em Santo Ângelo, causando a morte de Kelvin de Moura dos Santos, de 7 anos, pode ter sido causado por uma vela. O laudo da perícia, que apontará as causas do incêndio, ainda não foi finalizado, mas, segundo a Polícia Civil, está comprovado que a família utilizou velas acesas para iluminar a moradia na noite do acidente.

“Ainda não sabemos as causas do incêndio. O laudo é demorado, pois é feito em Porto Alegre. Mas está comprovado que eles estavam sem luz e realmente usando velas. Temos um relato de que o pai não sabia, mas o menino tinha levado uma vela para o quarto”, informa a delegada Luciana Cunha da Silva, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Santo Ângelo.

Durante a semana, a delegada ouviu outras testemunhas do incidente que acabou vitimando o menino. Sobre uma possibilidade de o pai da criança ser responsabilizado, a delegada avaliou que o pai fez o possível para salvar a vida do filho.

“Depende (sobre o pai ser responsabilizado), tem que se analisar, vai depender do que a perícia vai dizer, do que as outras testemunhas têm a dizer. Ninguém é obrigado a morrer para salvar outra pessoa. Ele (o pai do menino) também foi encaminhado para perícia, já que tem lesões que sofreu tentando salvar o menino. Se ficar apurado que houve negligência, ele poderá responder, talvez por omissão de socorro. Mas, pelo que foi apurado, ele fez o possível para salvar o filho”, argumentou a delegada.

O INCÊNDIO
O incêndio que consumiu a residência se iniciou na madrugada de domingo. O Corpo de Bombeiros foi acionado para conter as chamas, mas a casa acabou consumida pelas labaredas. No momento do incidente, além da criança, estavam na casa o pai Julio Cesar dos Santos, a madrasta Roselaine dos Santos Souza e uma senhora de idade, que conseguiram escapar pelos fundos da moradia. Kelvin, que estava em um dos quartos, não pôde ser resgatado e faleceu no local.