Operação Doble prende quatro

0
127

Aproximadamente 30 policiais civis participaram da operação na manhã de ontem

Após quase três meses de trabalho do setor de investigação da Polícia Civil de Santo Ângelo, a Operação Doble culminou na manhã de ontem (15) com a prisão de quatro suspeitos de envolvimento no crime que vitimou o casal Claudinei Santos e Márcia Joseane Santos, ocorrido no dia 20 de setembro deste ano. Conforme o delegado Rogério Junges, foram executados quatro mandados de prisão preventiva, além de vários mandados de busca e apreensão de materiais provenientes do crime.

Um dos mandados de prisão foi cumprido no Instituto Penal de Santo Ângelo. O acusado foi preso e recolhido ao Presídio Regional. Outro mandado foi cumprido na localidade de Colônia Municipal, interior de Santo Ângelo, região onde ocorreu o crime. Em Santo Ângelo, em uma residência próxima ao presídio, uma mulher que seria companheira do albergado foi presa juntamente com um homem que é irmão do acusado preso no interir do município.

“A primeira linha de investigação apontava no sentido de uma vingança por parte de alguns envolvidos na Operação Brothers, desencadeada pela Polícia Federal em 2012. Essa foi a primeira hipótese, que logo ficou fragilizada, porque recebemos a informação do Ministério Público de que, naquele processo que ainda está em andamento, não houve qualquer tipo de colaboração ou delação premiada por parte dos acusados”, explica. Com esse panorama, a polícia seguiu uma segunda linha de investigação, que dava conta de que os executores eram pessoas próximas das vítimas. “Na verdade, os dois que hoje se encontram presos, e que são suspeitos do crime, eram funcionários das vítimas”, afirma, em entrevista ao repórter Irani Brum, da Rádio Santo Ângelo.

Junges afirma que a conclusão foi possível porque, ao se chegar à cena do crime, alguns vestígios chamaram a atenção para determinados fatos, como o de os autores conhecerem bem o local. “Alguns bens foram subtraídos, como, por exemplo, uma arma de fogo que somente as vítimas ou uma pessoa que era muito próxima conheciam o local onde ela era guardada. E aí, um dos presos que moravam na residência junto com as vítimas tinha o conhecimento dessa arma. A partir disso, fortalecemos essa linha de investigação e, com a apreensão de todos os objetos, nós chegamos à conclusão de que as pessoas hoje presas têm algum tipo de participação nesse crime”, destaca.

MOTIVAÇÃO E ACUSAÇÃO
A polícia, segundo o delegado, recebeu informações de que havia desavença entre eles em razão de uma quantia que teria sido escondida pela vítima e cujo esconderijo somente os dois suspeitos saberiam. “Os acusados ainda serão interrogados sobre o assunto e veremos se eles vão colaborar ou não com a investigação, mas, de qualquer forma, os indícios que já temos são suficientes para mantermos a acusação”, destaca.

Junges ressalta ainda que os suspeitos de serem executores do crime são somente os dois que já estão presos, no entanto, há suspeita de participação de mais dois. “Essa suspeita de participação é ou no crime como homicídio ou no tráfico de drogas que eles vinham executando durante a investigação. Esses outros dois também estão presos. Um deles residia na Colônia Municipal e foi preso ontem pela manhã, assim como o irmão dele, que morava em Santo Ângelo”, relata. Ou seja, a partir de agora, a polícia trabalha com a hipótese de que dois dos suspeitos tenham agido como autores do crime e outros dois teriam auxiliado.

MATERIAL APREENDIDO
Foi apreendido com os presos quase 1 quilo de cocaína na residência de um dos suspeitos. Na casa de outro suspeito foi encontrada uma pistola Taurus 380, 44 munições, 270 gramas de maconha e um celular subtraído no dia das mortes, que pertencia à filha do casal morto. Também foram apreendidos roupas, joias, materiais esportivos e perfumes importados, entre outros.

Aproximadamente 30 policiais civis participaram da operação, que contou ainda com o apoio do Pelotão de Operações Especiais (POE) da Brigada Militar, que auxiliou na realização da prisão efetuada no Instituto Penal, com cerca de 30 policiais.